Regional nativo

November 10, 2018

O gênero Regional Nativo é o que se refere à música natural de um determinado lugar ou região.

 

Mato Grosso do Sul:

 

Neste segmento a música regional sul-mato-grossense, embora a música sertaneja de raiz tenha sido a referência estético-musical mais popular, tem em Almir, um de seus maiores representantes. E há de se observar que um novo contexto musical determinou a inauguração de uma cena musical inédita designada como “a moderna música popular urbana de Mato Grosso do Sul”, detalhada na obra de José Octávio Guizzo, importante personagem das artes sul-mato-grossenses;

 Almir Sater

 

Mato Grosso:

 

O rasqueado cuiabano, com sua riqueza sonora e a preservação da cultura musical regional do estado do Mato Grosso, tem em Bruna Viola uma de suas principais representantes;

Bruna Viola

 

Rio Grande do Sul:

 

De origem tradicionalista, por seu canto semelhante às coisas da natureza e do ambiente como a terra, o chão, os costumes, enfim, a musicalidade buscando suas origens e paixões, a música gaucha tem como um de seus principais representantes a dupla Oswaldir & Carlos Magrão que, depois de passagens individuais pelas trilhas do rock, abraçaram a música nativa, mixando-a com influências e experiências de longos anos de estrada;

Oswaldir & Carlos Magrão

 

São Paulo:

 

A música popular paulista tradicional, influenciada pela moda de viola e amplamente divulgada por Cornélio Pires, influenciando também outros estados, principalmente, Minas Gerais, Goiás, Paraná e Mato Grosso do Sul, é amplamente defendida por dois dos maiores representantes do gênero: Sérgio Reis e Renato Teixeira;

Sérgio Reis

 

Alagoas:

 

As modas de viola e os repentes do estado de Alagoas mantêm viva a cantoria tradicional da viola nordestina sempre bem representadas por nomes como João Procópio e João de Lima das Alagoas, que virou uma das principais referências em Alagoas, quando o assunto é repente, moda de viola e poesia cantada. No forró malícia nomes como Clemilda e Sandro Becker são os destaques. E, também, Djavan, um dos nomes mais importantes da MPB;

João Procópio

 

Paraíba:

 

A Paraíba reúne um rico acervo cultural e está fincada em origens ibéricas, africanas e indígenas. Além de manter viva a tradição cultural do Estado, a Paraíba também está sempre preparando e apresentando novos artistas. E entre seus principais representantes estão Canhoto da Paraíba, Otacílio Batista, Jackson do Pandeiro, Luiz Gonzaga, Cassiano, Sivuca, Erbert Vianna, Elba Ramalho, Zé Ramalho e Chico Cesar, dentre outros nomes importantes do passado e do presente;

Canhoto da Paraíba

 

Rio Grande do Norte:

 

O forro de traço cultural é uma tradição muito forte na maioria das cidades baianas e, também, na Paraíba e Rio Grande do Norte, que embora nunca fora um grande berço de artistas projetados nacionalmente, também nunca deixou de apresentar grandes nomes da música popular e regional, como: Roberta Sá, Gilliard, Carlos Alexandre, Antônio Sertanejo e Dorgival Dantas, dentre outros;

Dorgival Dantas

 

Piauí:

 

O Piauí é um estado rico em manifestações culturais, com variações musicais como o pagode de amarante e outros ritmos nativos da região, que traduzem uma herança cultural das tradições do povo nordestino. O acervo musical piauiense é bem eclético. Ganhou destaque e foi reconhecido em seus vários estilos, passando pelo regional ao universal, com ritmos, como: bossa, samba, toada, balada pop, baião, xote, jazz, tango e reggae, mas sempre havendo um estilo predominante, como o xote com o forró, e nomes como Radiofônicos, Acesso, Vavá Ribeiro e Roque Moreira, que são uns, dentre tantos artistas da cultura regional da música piauiense, que não podem deixar de ser ouvidos, além de Torquato Neto;

Roque Moreira

 

Ceará:

 

A sanfona, a zabumba e o triângulo são protagonistas da cena musical cearense, de uma cultura diversificada e com muitas características marcantes. Dentre alguns de seus movimentos importantes destaque para o Pessoal do Ceará, um movimento cultural brasileiro surgido na década de 1960, e sendo um dos mais importantes movimentos da música contemporânea cearense;

Fagner

 

Pernambuco:

 

O frevo, o maracatu e todas as variantes do forró pernambucano são de uma cultura rica, verdadeira e referência para o mundo;

Alceu Valença

 

Sergipe:

 

O cacumbi mirim e o forró de Sergipe mantêm vivo o histórico de um passado de muita criatividade do povo sergipano, e que resultou em uma cultura popular extremamente rica e diversificada;

Calcinha Preta

 

Tocantins:

 

A valorização da cultura musical do Tocantins tem a preservação do projeto musical "Tambores do Tocantins", criado pelo percussionista sul-mato-grossense Márcio Bello. No sertanejo romântico e universitário, destaques para a dupla Rick e Henrique & Juliano, nomes conhecidos em todo o Brasil;

Tambores do Tocantins

 

Maranhão:

 

A música nativa maranhense, tão bem referenciada por Zeca Baleiro, é uma verdadeira referência para o turismo cultural do Maranhão;

Zeca Baleiro

 

Amazonas:

 

As composições regionais de canções marcam ou resgatam momentos importantes e inesquecíveis do povo em geral do estado do Amazonas, com diversas canções que também resgatam a identidade cultural amazonense marcando gerações, além de ganhar o mundo. Há muita controvérsia sobre a história dos Bumbás de Parintins "Caprichoso e Garantido. O que se sabe, é o que os pesquisadores levantaram a partir de entrevistas a membros das duas entidades;

Carrapicho

 

Pará:

 

O gênero musical tipicamente nativo das origens indígenas, "a dança do carimbó", apresenta uma coreografia em que os dançantes imitam animais como o macaco e o jacaré. A Banda Calypso representa bem as influências de ritmos regionais do estado de origem, assim como Fafá de Belém, uma das cantoras do Pará mais conhecidas no Brasil e no mundo;

Banda Calypso

 

Santa Catarina:

 

A cultura de Santa Catarina é o conjunto de manifestações artístico- culturais, e, dentre as músicas típicas do estado, podemos destacar Cantiga da Ratoeira, Cantiga do Boi de Mamão, Cantiga do Cacumbi e Cantiga da Dança do Arco e Flores. Um de seus estilos mais populares está voltado para a música de bandas As tradicionais bandinhas do sul, que é parecido com a marchinha e recebe também a influência do estilo gaúcho. Nesse estilo musical, uma das mais importantes bandas da história catarinense é a banda Expresso Rural, de Florianópolis;

Expresso Rural

 

Paraná:

 

Dentre os estilos tradicionais do Paraná estão o Fandango, o Rock e a tradicional música sertaneja com seus representantes principais: "Chitãozinho & Xororó", nascidos em Astorga, Teodoro da dupla "Teodoro & Sampaio, de Santo Antônio da Platina e Michel Teló, ex-integrante do grupo "Tadição" nascido em Medianeira, e atualmente em carreira solo;

Chitãozinho & Xororó

 

Rio de Janeiro:

 

Tradicionalmente, o samba é o  estilo musical mais associado ao estado do Rio de Janeiro. A bossa nova também pode ser associada ao Rio de Janeiro;

Tom Jobim

 

Espírito Santo:

 

Típico das regiões litorâneas do Espírito Santo, o Congo capixaba é um gênero musical brasileiro em que os principais instrumentos são: o tambor de congo, bumbo ou caixa, casaca ou reco-reco, cuíca, chocalho, triângulo e apito. Nos dias de hoje, além do lado religioso e folclórico, o Congo Capixaba também influencia bandas de música popular, com a introdução de guitarra e baixo. Mas o Espírito Santo tem como seu representante maior o cantor Roberto Carlos, nascido na cidade de Cachoeiro do Itapemirim, que dentre seus inúmeros sucessos inclui a canção "Meu Pequeno Cachoeiro", composta por Raul Sampaio, que também nasceu em Cachoeiro;

Roberto Carlos

 

Minas Gerais:

 

Síntese da Cultura Brasileira, Minas Gerais tem o privilégio de exportar tantos talentos para tantos outros estados brasileiros, como também para o mundo. O Clube da Esquina, por exemplo, um movimento que marcou gerações, tem um papel significativo nas correntes musicais brasileiras, com nomes importes como Milton Nascimento, Lô Borges, Beto Guedes, 14 Bís, Flávio Venturini, dentre outros. A cultura musical de Minas Gerais também se estende para outros grandes nomes como Ary Barroso e Ataulfo Alves;

Milton Nascimento

 

Bahia:

 

A cultura da Bahia pode ser observada como uma das mais ricas e diversificadas do Brasil. Do rock, com Raul Seixas, ao tropicalismo, com Caetano Veloso, e ainda João Gilberto, Gal Costa, Gilberto Gil, Dorival Caymmi, Maria Bethânia e Tom Zé, dentre outros. E no Axé nomes importantes como Ivete Sangalo, Claudia Leitte, Olodum, Daniela Mercury, Carlinhos Brown, Margareth Menezes, Pepeu Gomes, Luiz Caldas e Sarajane, dentre outros;

Ivete Sangalo

 

Rondônia:

 

Terceiro estado mais populoso da região norte, Rondônia possui uma diversidade de festas típicas como Arraial - Índia Boi Bumbá, Arraial Flor de Maracujá, Festa do Divino e Jerusalém da Amazônia;

Arraial Flor do Maracujá

 

Goiás:

 

Goiás é vista como uma das culturas mais ricas do país. Compõe uma grande manifestação de danças, festas, cultos, artesanatos, cantigas, folguedos infantis e culinária, entre outras coisas aparentes, e não vive só do sertanejo, embora seja o maior celeiro de artistas desse gênero. Mas não tem como falar da música de Goiás sem citar os maiores nomes do mercado sertanejo, dentre tantos, Leandro & Leonardo e Zezé Di Camargo & Luciano; 

Zezé Di Camargo & Luciano

 

Amapá:

 

A Música Popular Amapaense surgiu no século XVIII e é um fator de identidade regional, formando um celeiro de talentos musicais. E entre esses talentos musicais está o cantor e compositor Zé Miguel, que figura entre os principais representantes da música na Amazônia, procurando sempre valorizar os ritmos regionais como o batuque e o marabaixo; 

Zé Miguel

 

Roraima:

 

Com forte influência indígena, a cultura de Roraima, também dentro do contexto musical, possui uma grande variedade de ritmos e harmonias. Dentre alguns dos principais cantores da música Roraimeira estão Zeca Preto, do Trio Roraimeira, George Farias, Neuber Uchôa, Eliakin Rufino, Cacá Farias, Leka Denz, Joelmir Guimarães, Ricardo Dutra, Jr. Caçari, Halisson Crystian, Zigomar Maia e José Luiz Costa;

Trio Roraimeira

 

Acre:

 

Presente no Acre desde seu processo de povoamento a música acreana, assim como a dança, sofreu importante influência dos povos indígenas. Os principais ritmos da região são o calipso, o carimbó, a marujada e as toadas.

Dança típica de musical rítmico acreano

 

Share on Facebook
Share on Twitter