Axé, o ritmo da Bahia

August 12, 2017

O axé é um gênero musical que surgiu na Bahia durante as manifestações populares do Carnaval de Salvador, na década de 1980. O ritmo foi criado com a mistura de frevo pernambucano, ritmos afro-brasileiros, reggae, merengue, forró, maracatu e outros ritmos afro-latinos. Também pode ser chamado de Axé Music. Na verdade, a palavra axé é uma saudação religiosa usada no candomblé e na umbanda, com o significado de energia positiva.

 

O axé se espalhou rapidamente por todo o país com a impulsão da mídia e em razão das micaretas, tornando-se um produto de potencial mercadológico.

 

Nessa década, a influência das canções de Bob Marley também ajudou a impulsionar a mistura do reggae e o samba do Olodum sob a batuta do mestre Neguinho do Samba. Isso foi importante para que outros artistas seguissem na mesma trilha. Exemplos de Margareth Menezes, Banda Mel e Banda Reflexu's, que passaram a introduzir o samba-reggae em seus novos trabalhos.

Banda Reflexu's

 

O PIONEIRISMO DO AXÉ E A IMPORTÂNCIA DE LUIZ CALDAS NA DIFUSÃO DO RITMO

 

Os pioneiros do gênero foram os músicos da banda baiana Acordes Verdes. Eles acompanhavam Luiz Caldas e eram músicos de estúdio da W.R., em Salvador. Dirigidos pelo compositor Alfredo Moura, principal arranjador do estúdio na época, iam criando sucessos que pouco adiante difundiriam o nome da Axé Music, ritmo que passava a ser conhecido em todo o Brasil.

 

Mas foi partir de canções criadas por Luiz Caldas e Paulinho Camafeu que surgiu o primeiro grande sucesso nacional da música baiana, "Fricote" (Nega do Cabelo Duro), gravada por Luiz Caldas, e que virou febre nacional. Na verdade, como se sabe, fricote era um ritmo de deboche criado por Alfredo Moura e Carlinhos Brown.

 

Tamanho sucesso transformou Luiz Caldas em referência para as próximas gerações, colocando a música da Bahia num cenário pioneiro, dinâmico e inovador.

Luiz Caldas

 

É pela grandiosa contribuição que deu à música baiana que Luiz Caldas é considerado o pai da axé music. Foi com suas aparições constantes na grande mídia que o movimento realmente aflorou. Isso deu a ele o título de "O Rei da Axé", como dizia o Velho Guerreiro.

 

Luiz Caldas passou a ser figura obrigatória nos programas de grande audiência nas principais emissoras de TV de todo o Brasil, entre eles Cassino do Chacrinha, além de ter feito parte da trilha sonora da novela Tieta, sendo, inclusive, tema de abertura da própria novela.

 

Assim, a partir da ascensão de Luiz Caldas uma nova geração de estrelas se acendeu para o país: Sarajane, a primeira cantora de axé e também a primeira cantora de axé a conquistar o país, Banda Reflexus, Ricardo Chaves, Olodum, Araketu, Banda Beijo, Asa de Águia, Cheiro de Amor, Chiclete Com Banana e Os Novos Baianos, dentre outros. Esses nomes vieram somar aos grandes precursores do gênero que já faziam sucesso na Bahia, dentre eles: Dodô & Osmar e Gerônimo.

Sarajane

 

ATRÁS DO TRIO ELÉTRICO

 

Em meados da década de 80 a música baiana realmente tomou fôlego. Mas antes, em 1974, Baby Consuelo se tornara a primeira mulher a se apresentar num trio elétrico, quando Os Novos Baianos cravaram de forma impactante, o nome da banda na evolução e na história dos trios elétricos.

 

Um ano depois já ficava bastante evidenciada a dimensão dos trios na canção "Atrás do Trio Elétrico", de Caetano Veloso, e gravada por ele mesmo, e, que propagou de vez a performance dos trios para todo o Brasil. Com isso, os trios foram se transformando e cada vez mais tomando corpo.

Caetano Veloso

 

A IDEIA DE SUBIR NUM TRIO

 

A ideia de subir num trio foi de Moraes Moreira, que integrava os Novos Baianos. Isso foi o marco zero da tradição de grandes cantores puxando esses carros. Antes o carnaval baiano era apenas feito de música instrumental.

 

Paralelamente ao movimento dos trios, foi se sucedendo a proliferação dos blocos-afro: Badauê, Ilê Aiyê, Muzenza, Araketu, Olodum e Filhos de Gandhi, tendo como um de seus importantes integrantes o cantor Gilberto Gil.

 

Esses blocos utilizavam instrumentos musicais de percussão, comuns nas baterias das escolas de samba do Rio. Isso já vinha acontecendo na década de 1960.

Moraes Moreira

 

O AXÉ NA DIREÇÃO DO POP

 

Nessa pegada o Brasil se renderia de vez ao axé. E, na década de 1990, aquela nova música baiana tomaria a direção do pop.

 

Foi nessa época que o Araketu resolveu injetar a essência eletrônica nos tambores, enquanto Daniela Mercury lançava “O Canto Da Cidade”, dela e de Tote Gira, abrindo definitivamente os horizontes da axé music para todo o Brasil e também para o mundo.

 

Com o fortalecimento e a grande ascensão do axé, cada vez mais novas revelações iam surgindo a cada ano e se tornando grandes estrelas, dentre elas: Banda Eva, Timbalada, Terra Samba, Pimenta Nativa, Jammil e Uma Noites, Harmonia do Samba, além de alguns líderes vocais que migraram para a carreira solo, exemplos de Netinho, Claudia Leitte e Ivete Sangalo, a estrela maior da axé music.

Banda Eva

 

O CARNAVAL DA BAHIA ENTRE OS EVENTOS MAIS IMPORTANTES DO PLANETA

 

Com a afirmação do axé, outros nomes importantes foram se sucedendo. A década de 2000 trouxe Babado Novo (ainda com Claudia Leitte), Gilmelândia, Rapazolla, Tomate e Alexandre Peixe, dentre tantos outros. Com a força do axé, o carnaval da Bahia se consolidou como um dos eventos mais importantes do planeta.

Claudia Leitte

 

ORIGENS DO CARNAVAL BAIANO

 

As origens do carnaval baiano estão baseadas a partir da década de 1940, época em que Dodô & Osmar começaram a tocar frevo pernambucano em guitarras baianas.

 

Com o passar do tempo, já na década de 1950, resolveram subir em cima de um Ford 1929, dando início aos Trios Elétricos que hoje é uma febre no "Carnaval de Salvador". Na verdade, o nome "trio elétrico" surgiu da fusão da dupla Dodô & Osmar (que eram carinhosamente chamados de dupla elétrica), mais um amigo, formando dessa maneira o trio que passou a ser chamado "trio elétrico", e que continuaria a se apresentar nos bares e festejos de Salvador e região, mas sempre com a ideia de se fazer uma coisa nova para o carnaval. Daí então, o surgimento do trio elétrico. Em dezembro de 1955 Orlando Campos construiu o Trio Tapajós, o primeiro trio elétrico da Bahia.

 Trio Tapajós

 

Vídeos relacionados ao 60 anos de história dos trios: 1/6 - 2/6 - 3/6 - 4/6 - 5/6 e 6/6.

 

 

 

Tags:

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Festival de Inverno de Monte Sião

May 7, 2019

1/4
Please reload

Posts Recentes

January 1, 2019